Popular Posts

Blogroll

Usuários online

About

Minha lista de blogs

Uma doce Ironia "Doce"

Aqui você encontra frases e palavras que descrevem meu momento ... que me traduzem!


contato: manuella.a.sousa@gmail.com

“As palavras não nascem amarradas, elas saltam, se beijam, se dissolvem, no céu livre, por vezes um desenho, são puras, largas, autênticas, indevassáveis”.

Drummond

visualizações

Tecnologia do Blogger.

Siga por e-mail!

About Me

Minha foto
Manuela Alves
Adoro gente sincera e inteligente, letras de música, libélulas e cachorrinhos. Amo minha mãe, meu amor “Kim”, minha família e amigos. Adoro a noite, o céu e o vento, o frio, escrever, ler, assistir filmes com pipocas, chocolate, beijo na boca, edredom, risadas fora de hora, passear de mãos dadas, escutar historias dos mais velhos, muito queijo, lilás, fadas, cheiro de chuva, sorvete, dormir, conversar com minhas amigas até tarde da noite comendo brigadeiro de panela, carnaval, aniversário, adoro rock, violão e voz, MPB, adoro Zeca Baleiro, Ana Carolina, Clarice Lispector, Mario Quintana, telefonemas inesperados, e mais um tanto de coisas... Não necessariamente nessa mesma ordem... Não tolero a falsidade, e prefiro a sinceridade. Sou curiosa e generosa. Aposto nas pessoas e acredito em seu potencial, gosto de cantar alto mesmo que totalmente desafinada, carinho, fazer planos, aprender coisas novas, entre outras muitas coisas, VIVER. A única coisa que exijo e que não me ROTULE me CONHEÇA.
Visualizar meu perfil completo

Followers

Search This Blog

Carregando...
domingo, 10 de outubro de 2010
  Sabe o que me dá medo? Me dá medo que a gente não seja as tais "almas gêmeas" que se encontraram, e num dia qualquer, a gente deixe de ser "a gente". Porque eu tenho medo de não saber ser isso que sou contigo, com outra pessoa. Eu tenho medo desse meu jeito de não saber ser metade, desse meu jeito de não saber me dar pela metade. Tenho medo de ter me dado demais pra você e não saber o caminho de volta. Tenho medo de não saber como me recolher de volta, caso seja necessário. Porque os meus pedaços já estão tão espalhados e ligados a você, os meus pedaços já são tão teus, que tenho medo que eles não saibam ser de outro alguém. Tenho medo de não existir um ser que comporte outro ser, como você comporta minha pequena imensidão. Tenho medo, sobretudo, desse alguém não ser você.

Valdeline Barros -

2 comentários:

Juh** disse...

Nossa que texto lindo, e triste neh.
beijos

Ísis. disse...

Não resisti e roubei pro meu. ^^

Lindo.